Ao reescrevermos vida, estamos a ser Deus?

Ao reescrevermos vida, estamos a ser Deus?

Oeiras

23/10/2018 a 23/10/2018

Salão Nobre do Palácio Marquês de Pombal

Entrada livre, condicionada à lotação da sala

23 de Outubro de 2018
photo

 

 

Numa viagem ao futuro da saúde com o olhar atento no presente, o cientista Moises Mallo vai procurar conduzir-nos na reflexão sobre a questão Ao reescrevermos vida, estamos a ser Deus?

No século passado, os avanços nas ciências médicas foram invencíveis, desde a revolução dos antibióticos à engenharia genética, radiologia e medicina nuclear, passando pelos transplantes, implantes e fecundação artificial.

E o que podemos esperar do século XXI? O que pode vir a melhorar no futuro próximo com a aceleração tecnológica exponencial? Podemos vir a aplicar formas de tratar doenças incuráveis ou hereditárias, genes defeituosos ou recomendar meàdicação específica em função do código genético do doente? O que tem vindo a ser feito na área das terapias celulares? Que implicações éticas, morais e filosóficas do que estamos a fazer?

O cientista Moises Mallo e o seu grupo de investigação do Instituto Gulbenkian Ciência (IGC) têm feito descobertas que podem vir a abrir novos caminhos no estudo da regeneração da medula espinal em caso de lesão.

Moises Mallo licenciou-se em Medicina e Cirurgia Geral pela Universidade de Santiago de Compostela (Espanha) e doutorou-se em Bioquímica e Biologia Molecular pela mesma Universidade. Depois de uma estadia pós-doutoral no laboratório de Tom Gridley, no “Roche Institute of Molecular Biology” em Nova Jérsia, USA, começou em 1995 a sua carreira como Investigador independente no Instituto Max-Planck de Imunobiologia em Freiburg, Alemanha. Em 2001 mudou o seu laboratório para o Instituto Gulbenkian de Ciência, em Oeiras (Portugal), onde coordena desde então o grupo de “Padronização e Morfogénese” e a “Unidade de Transgénicos”. O seu trabalho esteve sempre relacionado com o estudo dos mecanismos moleculares responsáveis pela formação do corpo dos vertebrados durante a fase embrionária, incluindo a formação da coluna vertebral e a medula espinal, utilizando técnicas de manipulação genética no ratinho.

 

 

 

 

INFORMAÇÕES:

Palácio Marquês de Pombal

Tel: 214 406 337maria.amandio@cm-oeiras.pt