Encontro de História Local do Concelho

Encontro de História Local do Concelho

06 abr 2014
  • Cultura
foto

Dividido em duas partes – Os ritmos do quotidiano e A casa setecentista: gostos, representações e simbolismo – decorreu em Oeiras, nos passados dias 5 e 6 de abril, o X Encontro de História Local do Concelho de Oeiras subordinado ao tema ‘O quotidiano em Oeiras no século XVIII’. Como se vivia sem eletricidade e sem água canalizada? O que comiam e o que vestiam? Quantas horas trabalhavam? Qual era a ocupação e a composição do agregado familiar? Como se cuidavam em caso de doença? Qual era o papel da Igreja e da Monarquia?

Estas foram algumas das questões para as quais se procuraram respostas, através do contributo de um conjunto de investigadores que esmiuçaram ambientes, situações e modos de vida da população de Oeiras no designado Século das Luzes, período de grandes mudanças económicas, sociais e culturais promovidas essencialmente pela ação reformadora de Sebastião José de Carvalho e Melo, 1º Conde de Oeiras e Marquês de Pombal. Durante séculos a exploração agrícola constituía a principal riqueza desta região. As suas gentes dedicavam-se ao amanho da terra, aproveitando os solos férteis e a abundância de água. Aristocratas, membros do clero, militares entre outros, elegeram esta região de excelência para descansarem, caçarem ou “esconderem amores”, dando expressão a uma cultura de lazer. ‘Ser e estar na Oeiras setecentista’, ‘Culinária, cosmética e botica’, ‘Convívio e sociabilidades da família Pombal’, ‘Um dia em Oeiras no século XVIII – História de costumes’, ‘A casa nobre no século XVIII: estruturas distributivas, tipologias espaciais e vivências interiores’, ‘O mobiliário no contexto do quotidiano setecentista em Oeiras’, ‘Os trabalhadores, os serviçais e os escravos na Oeiras de setecentos’ e ‘O gosto pela chinoiserie no século XVIII’ foram os temas de intervenções proferidas ao longo do encontro por Jorge Miranda, Isabel Drumond Braga, Ana Teixeira Gaspar, Célia Garrett Florêncio, Hélder Carita, José Proença, Maria Gabriela Salgado e José Meco. O programa da iniciativa contemplou ainda visitas ao Palácio, Jardins e Adega do Marquês de Pombal, e um apontamento musical na capela.