Futuro da cidadania em análise

Futuro da cidadania em análise

06 fev 2014
  • Cultura
foto

Porque está a cidadania em crise? A pergunta dá o mote para o 9.º ciclo de Conversas na Aldeia Global, subordinado ao tema O Futuro da Cidadania.

A iniciativa da Câmara Municipal de Oeiras mantém o figurino de anos anteriores: personalidades da sociedade portuguesa convidadas a partilhar (e a estimular) reflexões, desta feita sobre a responsabilidade da sociedade civil em democracia. Porque só uma opinião pública bem informada saberá escolher e exigir dos dirigentes políticos soluções duradouras e sustentáveis que defendam os interesses da maioria, sem esquecer as minorias mais desprotegidas.

Sentado à mesa com o moderador Vasco Trigo esteve, em fevereiro, Adriano Moreira, jurista, político e professor universitário, protagonista do debate enquadrado por um título da sua vasta obra: Memórias do Outono Ocidental: Um Século Sem Bússola.

Considerado um dos 'senadores' da sociedade portuguesa, Adriano Moreira assume que a sua intervenção política foi desenvolvida sobretudo por obrigação cívica. É doutor honoris causa por várias universidades, catedrático pela Universidade Técnica de Lisboa, detentor de várias condecorações e de um percurso académico de referência. Foi também um ativo ator político, tendo sido ministro do Ultramar durante o Estado Novo e presidente do Centro Democrático Social (CDS) após o 25 de Abril. É o atual presidente da Academia das Ciências de Lisboa e autor de várias obras ensaísticas e históricas ou de Direito. É colunista do Diário de Notícias.